Moradores de Rua e Seus Cães: a ação não para

Seu Zé veio de Minas Gerais para tentar a vida em São Paulo ainda muito jovem, sonhava em construir família e ter um bom emprego. Infelizmente, a cidade grande não sorriu para ele e logo Seu Zé passou a viver pelas ruas paulistanas. Em sua companhia, apenas os cães que adotou ao longo dos anos, dos quais, por sinal, sempre cuidou muito bem.

Ele já vivia nas ruas de São Paulo há 40 anos quando conheceu o fotógrafo pet Edu Leporo. Já idoso e muito doente, Seu Zé não conseguia andar sem o auxílio de muletas ou uma bengala, pois o frio e a vida em situação de rua haviam deteriorado as extremidades de seu corpo. Quando questionado sobre a sua vida antes de vir para São Paulo, mencionou que sua família vivia no interior de Minas, que tinha uma mãe e um irmão. Nessa época, Seu Zé mal imaginava o que o futuro reservava para ele e seus dois cãopanheiros.

Há 20 anos, a família de Seu Zé acreditava que ele estava morto, mas bastou um vídeo para que todos percebessem que o “Zezinho” deles continuava vivo, e que precisava de ajuda. Foi quando Edu apresentou o Moradores de Rua e Seus Cães (MRSC) ao Seu Zé e reuniu todas as forças que tinha para tornar possível o reencontro dele com seus familiares. No fim, com o apoio de empresas e a doação voluntária de pessoas que se comoveram com a história, Seu Zé pôde abraçar a sua mãe e irmão. Antes de ir, ele fez um único pedido: que seus dois cães pudessem ir também, e assim foi feito.

 

O projeto

 

A vida de Seu Zé é uma das 20 mil que o MRSC já ajudou desde 2012, quando o projeto começou com alguns cliques fotográficos despretensiosos de Edu Leporo, hoje idealizador da ação. Em 2015 ele publicou um livro com as fotos que produziu e as histórias que escutou com o passar dos anos, as fotografias até foram para exposição no Museu de Imagem e Som (MIS), o que projetou Edu como fotógrafo dos moradores de rua. “Foi aí que percebi que podia usar minha influência de forma positiva para ajudar quem me deu essa influência”, explica ele.

Segundo Edu Leporo, a missão do projeto desde seu surgimento é abrir olhos, corações e mentes. Para atingir esse objetivo, ele conta com o apoio de familiares e muitos voluntários, mas todo o atendimento só é possível devido as doações de pessoas físicas, que tem a liberdade para doar qualquer quantia. Há aqueles que depositam R$1 ou R$5, mas há também quem mensalmente doa R$3.000. O projeto também conta com o apoio de algumas empresas, que cedem produtos para os atendimentos, como nós da Pet Delícia, que sempre enviamos nossas latinhas para as ações.

Hoje o MRSC atua em São Paulo capital, Osasco, Moji, Campinas, Rio de Janeiro, BH, Natal, Recife, Fortaleza, Aracaju, Salvador, Goiânia e Floripa. Mas a ação tem ficado cada vez mais popular e já há pedidos para que ela se torne internacional.

No fim do post você confere 3 formas de doar e ajudar o Moradores de Rua e Seus Cães, pelos aplicativos PicPay, DuPay e também via transferência bancária.

 

Ação na pandemia

 

Os atendimentos realizados pelo MRSC acontecem na região central de São Paulo, em praças e ruas ocupadas por moradores. Agora na pandemia o projeto reduziu a equipe por medidas de segurança: “Nós afastamos todo mundo que era grupo de risco e não estamos recrutando ninguém. O time está enxuto, mas estamos conseguindo fazer nosso trabalho, então vamos manter assim”, conta Edu. Durante a pandemia, eles também suspenderam as arrecadações que faziam em lojas e pet shops, tudo para evitar uma possível contaminação.

Entretanto, o projeto percebeu a necessidade dos atendimentos e duplicou o número de ações. “Nessas ações que estamos fazendo durante a pandemia tudo é permitido para os cachorros! A alimentação de qualidade é importante, claro, mas nós temos um lema: nem só de ração vive o cão”.

Com o auxílio de um pet móvel e o apoio de algumas marcas, os cães das pessoas em situação de rua recebem cuidado veterinário, de bem-estar e higiene. Eles tomam banho, recebem uma tosa e, se necessário, tomam vermífugo, usam carrapaticidas e antipulgas. Parte das ações também é feita em ocupações, para elas são levadas cestas básicas, vitamina D, chocolate para as crianças e até gibis da Turma da Mônica. “Quem sabe não viramos personagens um dia?”, brinca Edu.

 

Você ganha e os doguinhos também

 

A campanha de inverno do MRSC é uma das formas de arrecadação do projeto, onde além de você se aquecer ou presentear alguém, você ainda ajuda um cão e um morador de rua. É muito simples: é feita a venda de moletons, os mesmos que os voluntários utilizam no projeto, através do Mercado Livre e toda a venda é revertida para a ação. 

Além dos moletons eles também vendem camisetas, ecobags, aventais e bonés. Confira algumas fotos:

                                                                                                                                             

 

[T2] Faça sua doação

 

Não importa a quantia, doe o quanto o coração e o bolso acreditarem ser ideal. Você pode doar para o MRSC de 3 formas:

 

PicPay 

 DuPay 

 

Transferência bancária

 

Banco Itaú – 341

Agência 0660

Conta corrente 09444-2 

CNPJ 30.147.584/0001-93 

 

A favor da Associação e Projeto Social Moradores de rua e seus cães!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *