Plantas tóxicas para Animais: como proteger seu pet

Plantas podem trazer muita alegria para as nossas casas. Por isso, não é incomum termos algumas nos ambientes internos, em vasos, ou fora, em um jardim. Muitos tutores, inclusive, gostam da ideia de ter um lar com bastante verde para os seus pets se sentirem mais livres e confortáveis. Mas você sabia que uma quantidade considerável de plantas pode fazer mal para o seu peludo?

Normalmente, cães e gatos irão evitar plantas tóxicas para eles. Mas as exceções não são tão raras: entre os motivos que levam animais em diferentes idades a mordiscar bulbos, folhas ou caules, estão a curiosidade, crescimento dos dentes, ou até mesmo desconforto gástrico. Às vezes, o simples interesse pelo aroma, cor ou sabor das plantas pode ser o suficiente para levar o seu amigo de quatro patas até elas.

Por isso, antes de trazer uma planta nova para a sua casa, é fundamental que você saiba quais podem apresentar um perigo para o seu pet. Vamos descobrir algumas?

Quais são as plantas venenosas para cachorros?

Se suas plantas ficam dentro de casa, fique atento: pode parecer surpreendente, mas algumas das plantas mais comuns em apartamentos, por exemplo, podem causar intoxicação nos nossos bichinhos. A Pet Delícia selecionou algumas delas:

 

Atenção: se você não encontrou uma planta específica nessa lista, isso não significa que ela não possa ser tóxica para o seu pet. Por isso, caso esteja na dúvida, consulte a lista completa no site da Sociedade Americana para Prevenção do Maltrato contra Animais (ASPCA), em inglês.

 

Comigo-ninguém-pode (Dieffenbachia spp.);

Costela de Adão (Monstera deliciosa);

Jiboia (Scindapsus aureus);

Espada de São Jorge (Sansevieria trifasciata);

Bico de papagaio (Euphorbia pulcherrima);

Azaleia (Rhododendron spp.);

Filodendro (Philodendron);

Folha da fortuna (Kalanchoe spp.);

Copo de leite (Zantedeschia aeothiopica);

Cheflera (Schefflera arboricola);

Primula ou primavera (Primula abconica);

 

Mesmo que suas plantas de área interna não sejam venenosas, existem várias outras que, embora não sejam cultivadas dentro de casa com tanta frequência, podem ser encontradas facilmente na rua ou em jardins. Confira algumas para ficar atento na próxima vez que levar seu pet para passear ou deixá-lo solto no quintal:

 

Espirradeira (Nerium oleander);

Cartucheira (Brugmansia suaveolens);

Lírio (Lilium spp. e Hemero-callis spp.);

Palma de Ramos (Cycas revoluta);

Alamanda (Allamanda carthatica);

Hortênsia (Hydrangeia macrophylla);

Coroa de Cristo (Euphorbia milii);

Dama da Noite (Cestrum nocturnum);

Mamona (Ricinus communis);

 

Plantas como tulipas, azaleias, samambaias, espirradeiras e espadas de são Jorge têm um princípio ativo que causa irritações e sensação de queimação na região da boca. Elas também provocam salivação excessiva, vômito, e dificuldade para engolir. Se o contato for com os olhos, é comum ocorrer lacrimejamento e sensibilidade à luz. 

As azaleias e espirradeiras também possuem uma substância que pode causar problemas digestivos e cardíacos nos cães, com sintomas como diarreia, falta de apetite e convulsões.

Algumas plantas mais comuns em ocasiões específicas também podem fazer mal: no Natal, por exemplo, é comum utilizarmos o bico-de-papagaio nas decorações, sem saber que ele pode causar causa irritações na boca e no estômago dos pets, além de vômito e sinais de irritação e coceira na pele.

 

Quais são os sintomas mais comuns?

Como você viu nos exemplos anteriores, os sintomas causados pela intoxicação por plantas são diversos. Sua incidência pode ocorrer, apresentando maior ou menor intensidade, dependendo de alguns fatores. Entre eles, está o grau de toxicidade da planta, a via de absorção (digestiva ou tópica) e a quantidade ingerida pelo animal. Também faz diferença a parte do vegetal que seu pet comeu, porque diferentes partes de uma planta podem apresentar substâncias específicas e/ou concentrações químicas variadas delas.

A idade do seu peludo também pode afetar a incidência de sintomas: cães e gatos mais jovens, por exemplo, costumam apresentar quadros mais graves, por terem um metabolismo ainda imaturo. Já os idosos têm reações metabólicas mais lentas, e, portanto, acabam sendo mais sensíveis às plantas tóxicas.

  Entre os sintomas mais comuns estão a irritação e o ressecamento da pele, a fraqueza, a desidratação e a hipertermia. Mas, se notar qualquer sintoma ou comportamento estranho no seu pet após o contato com alguma planta tóxica, é importante que ele seja levado ao veterinário imediatamente. 

 

O que fazer no caso de intoxicação?

Em caso de contato com plantas tóxicas para animais, o melhor a se fazer é limpar gentilmente a boca do seu pet com água corrente, tomando cuidado para que ele não engula resíduos, e assim removendo resquícios do vegetal. Em nenhuma circunstância é recomendado que se provoque vômito ou dê algo para o peludo comer ou beber!

Feito isso, o próximo passo, como mostrado anteriormente pela Pet Delícia, é procurar de imediato um veterinário – levando, se possível, uma amostra ou foto da planta tóxica (isso facilitará o trabalho do profissional na busca pelo tratamento adequado).

 

Como evitar a intoxicação?

Para proteger o seu pet do risco de intoxicação, o ideal é conhecer quais são as plantas venenosas e evitar trazê-las para casa. Entretanto, mesmo plantas que não apresentam grandes riscos podem gerar problemas para o seu amigo peludo: quando ingeridas em quantidade significativa, podem causar mal-estar. Já galhos maiores podem gerar lesões na cavidade oral.

Uma boa opção para não precisar abrir mão de belas plantinhas em casa ou ter que mantê-las sempre em um local de difícil acesso para o seu bichinho são buscar plantas que não apresentem nenhum risco a eles. E boas notícias: existem várias opções! A Pet Delícia indica alguns tipos: 

 

Bambus

Cactos zebra (este tipo de cacto não apresenta espinhos nem farpas)

Calateas

Samambaias

Manjericão, alecrim e salvia (a maioria das plantas aromáticas utilizadas na cozinha serão seguras para seu pet!)

Palmas amarelas

Rabos de cavalo de palma

Suculentas

Orquídeas

Girassóis

Rosas (cuidado com os espinhos!)

 

E mesmo que você não tenha plantas, ainda é possível encontrá-las na rua, em um passeio, por exemplo. Então a atenção é sempre necessária! Uma rotina e ambiente saudáveis para o seu amigo também podem ajudar, porque exercícios físicos e brinquedos diminuem o tédio e estresse. 

Então agora você já sabe! Para manter o seu amigo peludo em segurança sem precisar que você e ele vivam sem belas plantas, é importante saber quais delas podem causar intoxicação em animais. Isso garante que vocês possam dividir um ambiente natural e confortável sem criar riscos para o seu pet!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *